19/06/2011

Os Sapatos Sujos da Língua Portuguesa


O texto abaixo nos foi cedido pela advogada Silma Duarte, de Porto Alegre, que gentilmente nos permitiu a publicação neste espaço.

Conhece Mia Couto? Moçambicano, ele estudou medicina e biologia. Mas se dedica às letras. Tem leitores cativos em Europa, França e Bahia. Os brasileiros o prestigiam em lançamentos, palestras e tietagens. Os patriotas também. Outro dia, convidaram-no para abrir o ano letivo do Instituto Superior de Ciências de Moçambique.

O tema: os sapatos sujos da modernidade.
Ele justificou a escolha do assunto assim:

"Não podemos entrar na modernidade com o atual fardo de preconceitos. À porta da modernidade, precisamos nos descalçar”.

Contei sete sapatos sujos que necessitamos deixar na soleira da porta dos tempos modernos. Haverá muitos. Mas eu tinha de escolher. E sete é número mágico".

O 1º sapato sujo: a ideia de que os culpados são os outros e nós somos sempre vítimas.

O 2º: a ideia de que o sucesso não nasce do trabalho.
O 3º: o preconceito de que quem critica é inimigo.
O 4º: a ideia de que mudar as palavras muda a realidade.
O 5º: a vergonha de ser pobre e o culto das aparências.
O 6º: a passividade perante a injustiça.
O 7º: a ideia de que, para sermos modernos, temos de imitar os outros.

Xô, imundície!

A língua também tem sapatos sujos. São muitos.
Mas, como Mia Couto, escolhemos sete.
Respondem pela imundície  preconceitos, descuidos, escola ruim.
Que tal descalçá-los?
Primeiro passo: conhecê-los.
Segundo: deixá-los na soleira da porta.

Os sapatos sujos da língua

 O mito de que o  português é uma língua muito difícil. Talvez a mais difícil do mundo.
O português, como o inglês, o francês ou o chinês, é língua de cultura. Tem seu léxico, sua fonética, sua morfologia, sua sintaxe. Dominá-los exige estudo. É como se subíssemos uma escada com muitos degraus. Cada conquista representa um passo pro alto. Como lembra Mia Couto, o sucesso nasce do trabalho.

A ideia de que ler e escrever bem são dons divinos.
Ler e escrever são habilidades. Jogam no time de nadar, correr ou digitar. Todas exigem treino. Muito treino. Para ser campeão olímpico, Cesar Cielo pratica 15 horas por dia. Para ganhar a São Silvestre, Marilson dos Santos se exercita cinco horas de domingo a domingo. Para ler e entender, escrever e ser entendido, impõe-se ler e escrever muito e sempre.

A crença de que quem não aprendeu a norma culta nos primeiros anos de escola não mais aprenderá.
Desculpa de preguiçoso, não? Papagaio velho aprende a falar sim, senhor. Precisa estudar. O Lula serve de exemplo. No início da carreira, tropeçava em flexões, concordâncias, regências. Hoje domina o padrão culto da língua. Viu? O inimigo não é o outro. Somos nós.

A falácia de que não se devem apontar erros.

Apontar falhas ajuda a corrigir rumos. A correção tem hora e vez. Pais educam os filhos com palavras e exemplos. Avós, tios, primos, amigos os ajudam. A escola tem compromisso com a aquisição do conhecimento. Se se furtar a ensinar a norma culta, por exemplo, condenará muitos alunos a ficarem no andar de baixo. Quem critica, lembra o escritor moçambicano, não é inimigo.

5º A ilusão de que as palavras escondem o raquitismo de ideias.
A prosa informativa se inspira na internet. É ágil, curta e fácil de ler. Perder-se no emaranhado de palavras bonitas impressionavanos dias em que tínhamos de ser criativos para matar o tempo. Não é o caso de agora. Hoje, tempo é luxo. Menos é mais. Menor é melhor.

6º A crença de que eufemismo muda a realidade.

Adocicar o termo é como envolver o produto em celofane. A embalagem é bonita. Mas o interior não muda. Dizer "o caixa está indisponível" em vez de "o caixa quebrou" não muda a realidade: falta dinheiro para pagar as contas ou os credores.

7º A ideia de que errar pega mal.

O teatrólogo Samuel Beckett responde: "Erre mais. Erre melhor". 
 

Um comentário:

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.