09/12/2009

Não é preciso




Tem certas coisas que até podem acontecer, mas não é preciso que passemos por elas ou que as suportemos. Não é preciso ir de carro até a praia se você está há dois quilômetros dela e pode muito bem aproveitar para caminhar mais este trecho e assim obter melhor condicionamento físico. Afinal, caminhar faz bem em qualquer sentido seja ele estético ou de saúde. Mas podemos usufruir igualmente dos benefícios da caminhada extraindo dela o que ela puder lhe oferecer de melhor. E o melhor pode ser deixar para caminhar na beira da praia que é mais prazeroso e saudável, longe do vaivém dos carros e suas descargas. Nós já enfrentamos stress e buzina o ano inteiro e se pudermos ter a areia do mar, porque se contentar com o cimento?

Não há necessidade de sentir dor física. Sabemos que ela é o sinal de alerta do organismo, que precisamos dar-lhe a atenção necessária para que a doença não se alastre. Se não sentíssemos dor, nosso corpo se deterioraria sem que percebêssemos e não haveria como evitar a morte. A medicina nos mostra que as piores doenças são aquelas em que entre os seus sintomas não se encontra a dor, como o diabetes, por exemplo.

Almejamos sentir o mínimo possível de dor, se viável isto fosse. Mesmo com o físico na idade madura, queremos a vitalidade dos verdes anos e a quase ausência de dor que eles nos proporcionam. Passamos longos anos em busca do bem estar físico e quando vamos refazer a contagem percebemos que os momentos de cansaço ou sofrimento físico foram os companheiros mais fiéis da jornada. Tão presentes, que nos acostumamos com eles e não queremos que vá embora. Geramos assim um círculo vicioso que redunda em mais doença e menos satisfação. Com isto, perdemos a capacidade de usufruir da sensação de bem estar crescente que pode existir em cada momento, em cada atitude positiva nossa.

Não adianta olhar para trás e constatarmos que o instante anterior era melhor que o atual e que ameaçadoramente é o que acontecerá no período seguinte. As dores não podem ser o pretexto para se fechar para a vida. Porque aí alimentamos a dor mais perigosa: A que mina os nossos sentimentos, a nossa mente e nos deixa incapazes de extrair da existência a sensação de plenitude. Envelhecer é preciso. Deixar-se invadir pela dor, não.



Um comentário:

  1. Muito bom seu texto. Sempre penso assim em relação à dor, precisamos aprender a nos relacionar melhor com ela, além de inevitável ela é, também um alerta do corpo.

    Sempre passando por aqui para uma boa leitura.

    Bjus...

    Lenira

    ResponderExcluir

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.